Comissão da Câmara rejeita prioridade de investimentos públicos para software livre

C&T Política - BR

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados não aprovou a proposta que dá preferência para investimentos públicos nos equipamentos de telecomunicações baseados em software livre - aqueles que independem de permissão do fornecedor ou fabricante. A matéria, que faz parte do Projeto de Lei n°6685/06 do Senado, garante ao código aberto prioridade nas compras de projetos realizadas com recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust).


O relator na comissão, deputado Nelson Marchezan (PSDB-RS), recomendou a rejeição com o argumento de que não se deve dar tratamento privilegiado a um tipo de software a ser adquirido com os recursos públicos. “O Poder Público deve, nas licitações, assegurar oportunidades iguais a todos os concorrentes. Isso não só assegura lisura no processo licitatório, mas preserva os certames de vícios que podem significar desperdícios e perda de eficiência, situação na qual a inovação tecnológica dos concorrentes deve ser considerada.”


Marchezan disse ainda que a Lei das Licitações (8.666/93) já oferece os instrumentos necessários para escolher a solução com melhor relação custo/benefício na busca de uma combinação entre capacidade técnica e preço de produtos ou serviços. O parlamentar acrescentou que os especialistas na área de informática defendem, nesses casos, a formulação de uma política pública com a oferta de incentivos em vez da preferência.


Ele lembrou também que a Lei do Fust (9.998/00) não faz qualquer referência à natureza dos equipamentos ou sua origem. Em sua avaliação, sob esse ponto de vista, a proposta do Senado poderia dar a entender que aos mais pobres deveriam ser destinados os produtos com menor inovação tecnológica.


A comissão rejeitou ainda a emenda acatada anteriormente pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) para permitir que o governo use equipamentos com software proprietário quando a alternativa oferecida na modalidade de software aberto não atender às necessidades da aplicação pretendida. O texto segue agora para análise da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.


(Agência Gestão CT&I, com informações da Agência Câmara)

capes-financia-projetos-conjuntos-com-a-holanda-em-todas-as-areas-do-conhecimentoA Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) lançou o edital nº 27/2017, referente ao Programa Capes/Nuffic...
embrapii-desenvolvera-projetos-de-inovacao-com-empresas-brasileiras-e-britanicasCinco unidades e um polo da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) irão desenvolver sete projetos de inovação...
metodologia-do-curso-para-elaboracao-e-gestao-de-projetos-da-abipti-e-enaltecida-por-alunos“O diferencial deste curso é que ele é completo, apresenta todo o Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia para o aluno”, explica o...
incobra-brokerage-event-disponibiliza-plataforma-para-identificacao-de-parceiros-e-agendamento-de-networkings Já está disponível uma plataforma virtual para que os participantes do INCOBRA Brokerage Event registrem-se e criem o seu perfil de...
fapesp-e-cdti-anunciam-financiamento-para-pesquisa-inovativaA Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e o Centro para el Desarrollo Tecnológico Industrial (CDTI) anunciam a...